03/11/2015

Óleo extraído de Bíblia gera polêmica nas redes sociais

No sábado (31), comemorou-se os 498 anos da Reforma Protestante. Quando Lutero pregou suas teses na porta da catedral de Wittenber, Alemanha, fez um apelo para que a Igreja cristã abandonasse as práticas que nada tinham a ver com o evangelho.  Surgiu o movimento que daria origem as igrejas evangélicas.
Quase meio milênio depois, as igrejas evangélicas do mundo todo passaram por uma série de mudanças e muitas voltaram a ensinar práticas bem parecias com as que Lutero condenava.
Um vídeo postado no Facebook, rapidamente foi multiplicado e comentado exaustivamente. Com apenas um minuto e meio, o material não mostra o rosto dos pastores, apenas registra um “ritual” bizarro. Diferentes páginas evangélicas o reproduziram. Somadas, as visualizações chegam a mais de 100 mil nas primeiras 24 horas.
O narrador avisa que eles são da igreja Templo dos Anjos, nome de uma congregação famosa em Belo Horizonte que ensina constantemente a Teologia da Prosperidade, sendo afeita a campanhas do tipo.
Enquanto um dos líderes narra, outro retira de uma espécie de aquário uma Bíblia que ficou vários dias “embebida” em óleo puro de oliva, vindo de Israel.
O homem “espreme” então o óleo em um recipiente que simbolizaria o recebimento das promessas bíblicas. Esse “óleo sagrado” faz parte de uma corrente de final de ano, promovida pela igreja, chamado “projeto de vida 2016”.
Os interessados poderão pegar parte do óleo no final da campanha que terminará em 20 de dezembro para “ungir sua casa, lar, empresa”. “As oito mil promessas de bênção e de vitória estão aqui e assim será toda quinta-feira”, anuncia o pastor, sem mencionar o que acontece com as maldições previstas no texto sagrado.  No final, as pessoas são convidadas a participar dos cultos no “Templo dos Anjos”.
Entre as centenas de comentários, grande parte classifica o ato de “heresia” e “misticismo”. Há quem questione o que chama de “esquizofrenia evangélica”. Muitos também comparam a situação com “macumba”. Sobram ofensas para os pastores, classificados como “charlatões”, “hereges” e “enganadores”, entre outros adjetivos mais ofensivos.
Infelizmente, esse tipo de procedimento é apenas mais um na longa lista de “inovações” e “práticas ungidas” realizadas em diferentes igrejas do país. gospel prime

Nenhum comentário:

Postar um comentário