14/12/2015

Conselho das Igrejas Cristãs do Brasil critica tentativa de impeachment de Dilma

O Conic, com sede em Brasília, reúne as Igrejas Católica Apostólica Romana, Episcopal Anglicana no Brasil, Evangélica de Confissão Luterana, Presbiteriana Unida e Sirian Ortodoxa de Antioquia. O Conselho foi fundado em 1980 e tem se posicionado desde então sobre as questões que dizem respeito ao Brasil e à sociedade brasileira.

Em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil, o presidente do Conic, Bispo Dom Flávio Irala, da Igreja Anglicana da Diocese de São Paulo, afirmou que, à medida que os problemas surgem e os riscos de instabilidade aparecem, as igrejas normalmente se manifestam. No caso de agora, o Conic não foi o primeiro grupo que se manifestou. Outras igrejas já o fizeram”.

Dom Flávio explica que o Conic decidiu se pronunciar contra o impeachment presidencial porque durante todo o ano tem acompanhado “uma caça à presidente”, e isso tem prejudicado a economia do país, atingindo diretamente o povo brasileiro.

“Nós percebemos que o país está vivendo um processo de instabilidade desde a eleição de 2014. Mesmo antes da posse da Presidenta Dilma já existiam alguns sinais de que certos grupos, principalmente a oposição, não aceitaram o resultado da eleição. Isso tem se verificado o ano todo, e não é bom para o país, não é bom para a sociedade. Isso também traz consequências econômicas muito sérias, e que acabam atingindo a grande maioria dos brasileiros, porque toda instabilidade política gera instabilidade econômica e acaba atingindo a capacidade do país em gerar emprego e receber investimentos. Com o agravamento da crise, que resultou no pedido de impeachment, achamos por bem nos colocar diante disso, condenando essa atitude, que é uma atitude política, que acaba não levando em consideração o bem do país, mas apenas a resolução de alguns problemas do presidente da Câmara, Eduardo Cunha.”

Na nota de repúdio ao impeachment, o Conselho das Igrejas critica o fato de o presidente da Câmara ter acolhido um pedido com argumentos frágeis, ambíguos e sem a devida sustentação fática para a acusação de crime de responsabilidade contra a presidente da República.

Para Dom Flávio Irala, a presidente, na direção do Governo, pode até ter cometido erros políticos – nem todo mundo concorda com a linha econômica que foi adotada nesse segundo mandato – mas ela tem tido uma conduta correta.

“O que se pode afirmar é que ela tem sido uma pessoa honesta, tem tido uma conduta inatacável, e não há nada que sustente um pedido de afastamento da presidente, de alguém que foi eleito para quatro anos. Nós achamos que ela pode ter seus erros, e devem ser criticados, ser analisados e ser combatidos até, mas nunca se justificaria o afastamento de um presidente. Até porque geraria uma instabilidade institucional muito grande.”

Confira abaixo a íntegra da nota do CONIC:

DECLARAÇÃO EM DEFESA DA DEMOCRACIA

“A justiça caminhará à nossa frente e os seus passos traçarão um caminho” (Sl 85.16)

O Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), nesse contexto de tensões e incertezas que paira sobre o mandato da presidente Dilma Rousseff, une-se às demais organizações da sociedade civil e reafirma o compromisso e engajamento em favor do respeito às regras da democracia.

Como já afirmamos em diferentes ocasiões, nossa história democrática foi conquista com a luta e engajamento de muitos brasileiros e brasileiras, muitos perderam suas vidas. Ela precisa, portanto ser diariamente reafirmada. Vemos com muita preocupação que o presidente da Câmara tenha acolhido um pedido de impeachment com argumentos frágeis, ambíguos e sem a devida sustentação fática para acusação de crime de responsabilidade contra a presidente da república.

O momento pelo qual passamos pede serenidade e profunda reflexão. Vivemos um tempo difícil na economia e na política. Ainda estamos estarrecidos com o crime ambiental ocorrido em Mariana (MG) e que afeta também o estado do Espírito Santo. Temos, portanto, razões para afirmar e conclamar que os e as parlamentares se dediquem para a defesa dos interesses das pessoas que, nesse momento, sofrem os impactos dos crimes ambientais, da violência e do desemprego.

Perguntamos quais seriam as consequências para a democracia brasileira diante de um processo de deposição de um governo eleito democraticamente em um processo sem a devida fundamentação. Um impeachment sem legitimidade nos conduziria para situações caóticas.

No calendário cristão, estamos no período de advento. Tempo de renovação e reafirmação da esperança. Que este tempo contribua para refletirmos de fato um projeto para o país que leve em consideração não os interesses materiais e imediatos das elites econômicas e políticas, mas sim as necessidades das grandes maiorias, especialmente dos e das trabalhadores e trabalhadoras do campo e das cidades. Afinal, este é o sentido maior da res publica - atender ao bem comum e contribuir para melhorar a vida daqueles que mais necessitam do apoio do Estado na saúde, na segurança, na educação e na proteção social em momentos de crise econômica.

Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil - CONIC

Nenhum comentário:

Postar um comentário