11/07/2017

Empresária abandona carreira de sucesso para se envolver em missões

Uma mulher de negócios bem sucedida que ocupou altos cargos em algumas das 500 maiores empresas do mundo diz que está deixando todo seu sucesso financeiro e segurança para ajudar a levar o Evangelho a povos não alcançados.
"Muitos acabam tendo conhecimento sobre a salvação em Cristo através da Sua Palavra, ao conseguirem por as mãos em Sua Palavra", disse Ana Mims ao Christian Post, em uma entrevista via Skype na última quarta-feira (5).
Mims, que vive com sua filha de 11 anos em Cingapura, disse que ela está seguindo o chamado de Deus, apesar dos medos e reservas iniciais em assumir este ministério junto a outros tradutores da Bíblia, ligados à organização 'Wycliffe', dos Estados Unidos.
"É uma daquelas coisas na vida onde elas escolhem você, e não você que as escolhe. Na verdade, eu não escolhi a Wycliffe, acho que o Senhor fez isso por mim", acrescentou.
Nascida em Havana (Cuba), Mims e sua família migram para os Estados Unidos como refugiados em um dos 'Voos da Liberdade de Cuba' e teve que romper as barreiras linguísticas para aprender inglês. Embora tenha sido criada como católica romana, ela disse que quando tinha 18 anos de idade, entregou sua vida a Jesus e se tornou evangélica. Ela contou que já naquele tempo, estava interessada em se dedicar integralmente ao ministério, mas sentiu que Deus estava dizendo que aquele não era o momento certo.
Então, Mims iniciou uma carreira profissional de 28 anos e se tornou uma profissional sucedida, especialista em legislação, diretoria de relações e operações governamentais, vice-presidente de comunicações e em diversas empresas de toda a Europa, América Latina, Ásia e EUA.
O Chamado
Certa noite, ela estava lendo informações sobre aconselhamento para mulheres e crianças que sofreram diversos tipos de traumas em países devastados pela guerra e acabou conhecendo a 'Wycliffe Bible Translators', uma organização que ajuda as pessoas a traduzirem a Bíblia para suas próprias línguas nativas.
"Eu sempre procurei saber como poderia me envolver em missões ou servir alguns grupos que são menos privilegiados de alguma maneira ao redor do mundo. É algo que sempre esteve no meu coração, desde que me converti", disse ela.
Apesar de sentir que ela não era a exatamente a pessoa certa para este trabalho por não ser muito ativa em sua igreja, ela deixou seus contatos com a Wycliffe, que iniciou uma longa conversa com a empresária sobre a possibilidade dela contribuir com a missão de alguma forma.
Mims pensou bastante se a possibilidade de se unir à 'Wycliffe' seria uma decisão certa para ela, já que ela ainda tinha sua filha para sustentar. Mas então, ela disse que sentiu o chamado de Deus e não podia mais dizer não a este.
"De repente, houve essa mudança dentro de mim que dizia 'Ana, você tem que se envolver nisso. Agora é um momento diferente", contou. "Muito me surpreendeu que o que sempre foi 'Não, isso não é para você agora', de repente se tornou 'Agora é a hora".
Mims, que irá trabalhar como diretora sênior de comunicações corporativas para uma das organizações irmãs da 'Wycliffe', observou que ela está deixando um estilo de vida corporativo altamente remunerado, juntamente com o conforto material e a segurança financeira para ela e sua filha.
"Eu vivo em um dos países com maior renda per capita e mais ricos do mundo. Estou cercada por muita riqueza. Eu morava em um prédio com um elevador privado que levava diretamente ao meu apartamento", disse ela sobre a vida em Singapura, acrescentando que um de seus hobbies costumava ser dirigir seus Porsches.
"Fui abençoada com muito sucesso e, obviamente, com esse sucesso veio uma grande remuneração. E, portanto, ir de um lugar onde você está acostumado a ganhar bons salários para outro onde você não recebe nenhum salário é algo bastante diferente. Mas foi assim mesmo que o Senhor enviou os seus discípulos", disse ela.
Mims também compartilhou com o Christian Post que ela chegou a questionar Deus sobre alguns pontos desta nova fase de sua vida.
"[Eu disse:] Espere um minuto, Senhor, eu sou uma mãe solteira, estou criando uma criança de 11 anos, e se até então não foi o momento certo para isso, por que você me chamou agora?", contou.
Ela observou que servir no ministério em tempo integral era algo muito novo para ela.
"Como eu vou viver assim pelo resto da minha vida? Como vou sobreviver desse jeito? Como é que meu estilo de vida vai ficar?", ela se perguntou.
Mims disse que sabia em seu coração que ela estava indo na direção certa, justamente por ter sentido que era aquilo que Deus queria dela.
"Um Deus que sempre foi fiel, que o providenciou tudo de muitas maneiras - quando você tem história com alguém leal e fiel a você, você sabe que pode contar com Ele", destacou.
"Eu pude ouvir o Senhor dizendo: 'Você confia em mim que vou fornecer o que você precisa, o que sua filha precisa, que eu vou permanecer com você exatamente onde você está?", contou.
Conduzida por Deus
Olhando para a vida empresarial bem sucedida, Mims reconheceu que foi Deus quem a levou até lá.
"Quando estamos sentados nesses lugares altos, é fácil para o nosso orgulho nos dizer: 'Sou eu... eu sou tão boa, sou tão inteligente', mas é justamente o Senhor quem abre as portas, o Senhor é quem nos habilita, é Ele quem nos leva a esses lugares", afirmou ela.
Ela explicou que ainda tem dias de dúvida, mas é exatamente nesses momentos que sua fé se levanta ainda mais.
"O Senhor é bom porque Ele não me conduziu até aqui para me fazer falhar. Eu me encorajo na Palavra de Deus, que me diz quem Ele é, e no testemunho que Ele me deu, sendo fiel de várias maneiras. Que Sua vontade Continue sendo assim", contou.
"Minha experiência foi um ato de minha vida para o Senhor, foi uma conversão completa", continuou Mims. "Eu não vejo minha vida como sendo só minha. Tenho desejos, necessidades, mas sempre apresento tudo isso ao Senhor".
Ela lembrou-se de se assentar em treinamento na 'Wycliffe' com pessoas que estiveram no ministério no campo fazendo a tradução da Bíblia e ouvir suas histórias impactantes sobre como conseguiram mudar as vida de muitas pessoas. Foi quando ela percebeu a importância de estar em um papel de apoio desses projetos.
"Todo o mandato que temos como cristãos é ir por todo o mundo e espalhar as Boas Novas. Só pela sensação de saber que o trabalho que eu vou me envolver permitirá que o Evangelho vá para lugares onde ainda não chegou é o que me inspira", disse ela.
"Todos esses anos que eu passei no mundo corporativo, aprendendo meu ofício e aprendendo todas aquelas coisas que o Senhor precisava que eu fizesse, agora vão servir para que eu possa entrar no ministério, eu acho que isso é simplesmente fantástico", disse ela.

Com informações CPAD

Um comentário:

  1. "Quando estamos sentados nesses lugares altos, é fácil para o nosso orgulho nos dizer: 'Sou eu... eu sou tão boa, sou tão inteligente', mas é justamente o Senhor quem abre as portas, o Senhor é quem nos habilita, é Ele quem nos leva a esses lugares"

    é realmente assim que agimos!!!!

    ResponderExcluir