19/02/2018

Mais de 16 mil cristãos foram mortos na Nigéria em menos de três anos, diz relatório

Mais de 16 mil cristãos foram mortos na Nigéria desde junho de 2015, sendo vítimas da violência de policiais, extremistas da etnia Fulani e do grupo terrorista Boko Haram. Os dados são da Sociedade Internacional de Liberdades Civis e Estado de Direito.
“As estimativas de 16 mil mortes são especificamente compostas por 2.050 vítimas de violência direta do Estado, 7.950 vítimas de custódia policial ou assassinatos em cativeiro por meio de perfil racial e detecção de crime não profissional, 2.050 vítimas da insurgência do Boko Haram e 3.750 vítimas de homicídios terroristas de pastores Fulani”, informou o grupo, acrescentando que centenas de igrejas também foram destruídas.
Os dados foram enviados pela organização ao presidente nigeriano Muhammadu Buhari, em uma carta que denuncia sua falta de ações e pede que ele proteja os milhões de cristãos que existem no país.



A carta, que também foi enviada ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ao secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, observa que os ataques contra os cristãos aumentaram 62% desde junho de 2015, apesar das promessas de Buhari.
O presidente nigeriano prometeu derrotar o Boko Haram, enquanto as autoridades declararam repetidamente no ano passado que o grupo está sendo retirado com sucesso do país. No entanto, os ataques e sequestro continuam acontecendo.
Pelo menos 350 pessoas, principalmente cristãs, foram mortas por pastores Fulani e membros do Boko Haram em vários estados nigerianos entre dezembro de 2017 e janeiro de 2018, destaca o relatório.



“O Sr. Presidente deve despertar de seu sono e cumprir seus deveres e funções constitucionais jurados com coragem e imparcialidade, de modo a evitar uma situação em que milhões de cristãos ameaçados na Nigéria sejam obrigados a recorrer à autodefesa”, disse a organização.
A Associação Cristã dos Nigerianos-americanos (CANAN, na sigla em inglês) também expressou sua decepção com a falta de posicionamento de Buhari quanto à violência perpetrada contra os cristãos.



A CANAN ainda observou que a crise não deve ser vista como um conflito regular entre muçulmanos e cristãos, acrescentando que o último incidente de violência havia sido orquestrado por “pastores (agricultores) criminosos”.

COM INFORMAÇÕES DE CHRISTIAN TIMES

Nenhum comentário:

Postar um comentário